lunes, enero 08, 2007

Lascívia




Era muito vago em sua mente a primeira vez que Fada o viu, recordou-se deste dia por palavras vindas dele mesmo. Ela não tinha certeza se havia sido daquela forma. Philotes estava presente. Confirmara. Mas, para Fada fora um dia esquecido em tantos outros.

Lembra-se da primeira vez que ouviu sua voz... um forte desejo soou em seu corpo. Teve vontade de devorá-lo. Fada o observou. Era lascívio.

O olhar de Erebos penetrava suas entranhas. Imaginava como seria ser possuída por ele: fúria lascívia de satisfação do desejo e Fada excitava-se com esses pensamentos libidinosos, enquanto o observava seu desejo aumentava, ela queria entregar-se àquele ser sombrio que causava tantas sensações luxuriosas.

Fada se retraía, algo nele a temia, ela não sabia distinguir o que era, e ao mesmo tempo que queria que ele a consumisse, ela o queria distante, que nunca a tocasse.

Não entendia, ora a face sombria de Erebos a repelia, com seu jeito de parar e ficar sozinho no meio da multidão, seu silêncio sepulcral e ora a atraía, pois curiosa ela devoraria sua mente, degustaria suas idéias, consumiriam-se em seus olhares. Ele a temia.

A antítese dos desejos os distanciava, não era tempo de aproximações, era muito escuro ao lado de Erebos e Fada precisava de luz, de certezas e ele, ainda, não permitia que elas resplandecessem em todo seu corpo, a não ser quando entregava-se a lânguidos desejos noturnos ou quando as notas musicais o invadiam.

Mas, em certas noites de lua cheia em que as incertezas desaparecem e o rosto de Erebos ilumina-se, sem pensar em seus temores, se entregam, se consomem, se devoram, se permitem, gozam e acabam por descobrir que ela odeia bolos e ele adora biscoitos. Ele é a própria utopia, ela a certeza (de que nada é como gostaríamos). Eram livres. Combinavam nisso... e no atrito da cama.

Eles se temiam.

4 comentarios:

Andréa dijo...

Nossa, achei muito bom! Alguém me disse ou eu ouvi por aí que o melhor da festa é esperar a festa chegar, se não houvesse essa espera, se não houvesse esse contraste, a festa não seria lá essas coisas...



PS:Eu também odeio bolos, heuahua...

yara b . dijo...

em noites de lua, tudo é certeza de que nada é como se pensa...

[odeio bolos também]

flavita. dijo...

Noites de lua, noites de lua...

a suka dijo...

notas musicais invadem na voz da música inicial do timbre daquele rapaz...

redundante... mas eu bem sei disso...

^^

e eu adoro bolos! sempre gostei, eu acho!

mas nos atritos entre doces e salgados, uns biscoitos talvez caiam melhor...

acho que a fada tem perdido o temor...

muito bom... essa fada...

haiuaahuia

[eu disse q não ia por, mas pus!]

bjos, moça q acordou ofuscada pelo sol!